Siso incluso: o dente que, mesmo sem nascer, merece atenção

siso incluso

10/02/2021 | Por: Odonto Busca Conteúdo

Você já ouviu falar do dente siso incluso ou impactado? Este é o nome dado para o terceiro molar que não está visualmente presente na cavidade oral.

Apesar de ele não “dar as caras” na arcada dentária, isso não significa que sua existência deve ser ignorada.

Pelo contrário, na maior parte dos casos, é recomendável que esse tipo de dente seja extraído para evitar alterações orais.

Neste artigo você vai entender o que é o dente siso incluso, como identificá-lo, o que impossibilita sua erupção e algumas das complicações que ele pode causar, se não receber o tratamento adequado.

Além disso, também serão apresentados os detalhes sobre a realização da cirurgia de extração de siso nesses casos. Tanto em relação às suas indicações, a melhor hora de realizá-la, quanto sobre o pós-operatório. Se são diferentes ou não dos demais dentes.

Confira os tópicos que serão abordados sobre o tema:

  • O que é o dente siso incluso?
  • Os fatores que impossibilitam a erupção do dente
  • Como saber se o siso está incluso
  • As principais complicações
  • Extrair ou não o dente siso incluso
  • Em quais casos a cirurgia é indicada
  • Como a cirurgia é realizada quando se trata de siso incluso
  • A idade certa para realizar a cirurgia de extração do siso
  • Mesmo inclusos, é possível extrair os quatro sisos em uma única cirurgia?
  • E como fica o pós-operatório

O que é o dente siso incluso?

siso incluso

O dente siso incluso é aquele localizado dentro do osso e coberto pela gengiva

Para quem não sabe, o siso incluso é aquele dente que se desenvolveu, mas não conseguiu erupcionar no tempo esperado para o nascimento dos sisos.

Ou seja, ele existe, mas não pode ser visto a olho nu. Isso porque está localizado dentro do osso e coberto pela gengiva.

Apesar deste tipo de dente também levar o nome de siso impactado, ele não é o único a se manter desta forma.

Essa situação também pode acontecer com os pré-molares inferiores e os caninos superiores.

Os fatores que impossibilitam a erupção do dente

Na maior parte das vezes, o siso se mantém incluso por conta da falta de espaço na arcada dentária.

Lembrando que ele é o último dente a se desenvolver e ainda fica localizado no último lugar da nossa cavidade bucal.

Outro fator que mantém estes dentes “escondidos” é seu posicionamento inadequado na arcada. Muitas vezes eles podem estar deitados ou tortos, o que impossibilita sua aparição.

Alguns especialistas ainda acreditam que questões hereditárias e traumas na infância também podem ter alguma relação com esta ausência de erupção.

Como saber se o siso está incluso

A radiografia panorâmica é a melhor forma de avaliar a situação do paciente

Existem duas situações comuns no diagnóstico do siso incluso.

A primeira é quando o paciente começa a sentir fortes dores e perceber inchaço na região, sem motivo aparente, e procura um profissional dentista para investigar a causa.

E a segunda é quando o paciente não sente nenhum desconforto. Mas como já passou da faixa etária em que é esperado o nascimento do siso e nada aconteceu, decide recorrer à um odontólogo para saber se sua situação é normal ou não.

Em qualquer um desses casos, o recomendável é procurar um dentista especialista em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais.

Além de examinar o local, ele irá solicitar exames complementares para avaliar o caso e o melhor tratamento.

A radiografia panorâmica costuma ser o método mais utilizado. Isso porque, por meio dela, é possível visualizar todo o rosto e, consequentemente, o tamanho, forma e posição do dente siso.

Esse tipo de raio-x também permite que o profissional avalie qual é a proximidade entre os terceiros molares e os nervos.

As principais complicações

É importante ressaltar que não é possível prever com certeza se o siso incluso irá ou não gerar complicações, pois cada caso é um caso.

Mas o mais comum é que o dente nesta situação prejudique o segundo molar, ou seja, seu dente vizinho.

Isso porque ele pode acabar reabsorvendo a raiz deste dente e causar cárie, o que pode resultar inclusive em perda dentária.

Alguns profissionais ainda defendem que a não erupção do dente siso pode comprometer o alinhamento dos demais dentes.

Esta possibilidade de empurramento pode até mesmo prejudicar tratamentos ortodônticos, segundo essa linha da odontologia.

Outra alteração bucal que pode acontecer é a pericoronarite, um processo inflamatório.

Ele costuma ser causado pela dificuldade em se manter uma higiene bucal adequada, já que o local é de difícil acesso.

Apesar de não ser tão comum, esse quadro pode até mesmo resultar em cistos (também denominados de quistos) ou tumores.

São casos que podem acabar demandando uma cirurgia maior e mais complexa, inclusive com sedação, já que é possível acontecer fraturas de mandíbulas, hemorragias, entre outras questões.

Extrair ou não o dente siso incluso

Muitas vezes o paciente não faz a cirurgia por medo, mas acaba tendo ainda mais complicações

Extrair ou não o dente siso incluso é uma decisão que deve ser tomada pelo paciente junto ao profissional dentista especializado. Tudo vai depender da situação em que ele se encontra.

Algumas pessoas não apresentam qualquer tipo de sintoma ou incômodo, mesmo com o siso incluso. E, por isso, não veem a necessidade de passar por um procedimento cirúrgico.

Neste caso, os odontólogos recomendam que o paciente continue monitorando a situação com radiografias periódicas. O ideal é que sejam realizadas ao menos uma vez ao ano.

Mas o paciente precisa se comprometer a seguir esta conduta para evitar complicações e não deixar a recomendação cair no esquecimento.

Caso contrário, ele poderá ter prejuízos ainda maiores, como a necessidade de extrair os sisos e ainda lidar com a perda dentária dos segundos molares.

A exodontia de siso costuma ser recomendada de forma geral pelo fator preventivo. Mas ela pode ser contraindicada para pacientes com saúde comprometida, crianças ou idosos e em casos que podem causar danos aos nervos, outros dentes e à estrutura.

Em quais casos a cirurgia é indicada

Como o dente siso acaba sendo desnecessário no processo mastigatório, sobretudo em pessoas que não tiveram nenhuma perda dentária, o mais indicado é que ele seja removido.

Principalmente nos casos de dentes sisos inclusos, considerando que, mais cedo ou mais tarde, eles podem causar desconfortos e complicações.

A extração do dente siso, inclusive o impactado, também é recomendada para prevenir alterações bucais, como cáries dentárias e doenças periodontais, que são uma ameaça à saúde bucal.

Mas aí você pode estar se perguntando como é possível um dente ter cárie se ele nem apareceu na arcada dentária.

Conforme mencionado anteriormente, muitas vezes é deflagrada uma reabsorção das raízes do dente vizinho e este siso incluso pode ocasionar o surgimento da cárie no segundo molar.

Outra indicação comum é para os casos em que o dente siso está pressionando os nervos dos dentes e causando fortes dores.

Como a cirurgia é realizada quando se trata de siso incluso

extração siso incluso

A extração do dente siso incluso pode ser mais complexa, por isso, é primordial procurar um profissional habilitado e experiente

Se comparada à cirurgia de extração dos dentes sisos que já estão erupcionados, o procedimento de remoção do siso incluso pode sim ser considerado mais complexo.

Ainda assim, muitas vezes é possível realizá-lo apenas com anestesia local em ambiente ambulatorial, sem necessidade de sedação.

Se realizado por um cirurgião bucomaxilofacial experiente, o procedimento deve durar cerca de uma hora, mas não costuma passar de duas horas.

Após a aplicação da anestesia, o profissional dentista realiza uma incisão na gengiva para visualizar o siso incluso.

Pode ser necessária também a remoção do osso que está sobre o terceiro molar impactado. Este procedimento leva o nome de osteotomia.

Outra manobra esperada é a odontosecção, quando o dente é dividido em porções menores para ser retirado de forma mais fácil.

Após a remoção dos sisos, o odontólogo realiza a sutura. Os pontos costumam ser retirados em cerca de sete dias, no consultório.

Mas já existem profissionais que utilizam fios absorvíveis, que dispensa esta necessidade de retorno.

A idade certa para realizar a cirurgia de extração do siso

Alguns profissionais dentistas recomendam que, a partir dos 15 anos, aproximadamente, o adolescente já comece a acompanhar anualmente o desenvolvimento do siso.

Esse monitoramento pode ser feito nas consultas odontológicas de rotina, quando o cirurgião-dentista deverá solicitar radiografias para avaliar o caso.

O que acontece, geralmente, é que as pessoas esperam ao menos algum dente siso nascer ou até mesmo sentir dor para poder buscar ajuda profissional.

E não existe esta necessidade. Pelo contrário, o paciente pode se antecipar e acabar evitando, assim, muitos desconfortos e complicações.

Além disso, se realizado por volta dos 16 aos 19 anos, o procedimento cirúrgico pode ser ainda mais simples e fácil.

Isso porque, nesta faixa etária, a raiz não está totalmente formada, o osso é mais maleável e a recuperação costuma ser mais rápida entre os adolescentes.

Ou seja, com o avanço da idade, a extração dos terceiros molares, principalmente impactados, pode se tornar cada vez mais difícil.

Mesmo inclusos, é possível extrair os quatro sisos em uma única cirurgia?

Via de regra, é possível sim remover os quatro dentes sisos, mesmo que estejam inclusos. Mas esta questão deve ser avaliada individualmente com um profissional dentista especializado.

É por isso também que o recomendável é procurar um Cirurgião Bucomaxilo. Esse tipo de profissional tem uma grande vivência cirúrgica e maior habilidade neste tipo de procedimento.

E essa experiência acaba garantindo mais habilidade, agilidade e precisão na intervenção, bem como mais segurança para o paciente. Até porque é um profissional apto a contornar qualquer complicação que por ventura possa surgir.

Sempre que possível, apesar de assustar muitas pessoas, a extração dos quatro sisos em uma única cirurgia é indicada.

Desta forma, o paciente resolve de uma vez só o problema, sem a necessidade de passar por dois procedimentos cirúrgicos e dois processos pós-operatórios.

Outra situação que também acontece com frequência é a pessoa realizar a extração de dois sisos e depois postergar a dos outros dois até eles apresentarem complicações.

E como fica o pós-operatório

Apesar de relativamente mais complexa, a exodontia do siso incluso não costuma gerar complicações, principalmente se o paciente seguir à risca os cuidados pós-operatórios.

As primeiras 72 horas após a cirurgia merecem atenção especial. Acima de tudo, é preciso se manter vigilante com os horários das medicações repassadas pelo profissional dentista para evitar dores e inflamações.

Também é recomendável investir na compressa de gelo para evitar inchaços e utilizar gaze limpa no local da cirurgia para controlar o sangramento.

O paciente deve evitar ainda conversar em excesso, fazer esforço físico, bochechar e cuspir, bem como priorizar alimentos líquidos e sólidos, em temperatura ambiente, frios ou gelados.

O fato do siso incluso ter sido extraído não inviabiliza a higiene bucal, mas é preciso ter cuidado na hora da escovação já que a região estará dolorida e sensível.

Você também vai gostar de ler