Periodontite é uma das principais causas de perda dentária

periodontite

17/03/2021 | Por: Odonto Busca Conteúdo

Gengiva sangrando, principalmente durante as escovações, é sinal de alerta. Apesar de muitas pessoas associarem essa manifestação à gengivite, também é um sintoma da periodontite, que é um quadro muito mais sério.

Neste artigo, além de entender a diferença entre essas duas doenças periodontais, você irá conhecer os sintomas, causas e consequências da periodontite.

Ainda descobrirá quais são os principais tratamentos e formas de prevenir esta inflamação que, apesar de recorrente, pode ocasionar vários problemas de saúde, inclusive perda dentária.

Veja o que será abordado sobre o tema:

Periodontite: uma doença comum, mas muitas vezes negligenciada

A diferença entre gengivite e periodontite

Má higiene bucal é uma das principais causas da periodontite

Outros fatores favorecem a doença periodontal

Sinais e sintomas da periodontite

Como a periodontite pode ser prejudicial à saúde

Um diagnóstico precoce faz toda diferença

Qual profissional dentista procurar

A periodontite tem cura?

As principais formas de tratamento

Como prevenir a doença periodontal

Periodontite: uma doença comum, mas muitas vezes negligenciada

periodontite

Periodontite afeta 90% da população mundial, mas nem sempre recebe a atenção que merece

Conforme estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS), a periodontite afeta 90% da população mundial.

Já no Brasil, a previsão é de que 99% das pessoas tenham algum tipo de doença periodontal, seja gengivite ou periodontite.

O fato dessas doenças geralmente surgirem de forma silenciosa é um dos fatores que explicam esse cenário.

Como nem sempre causam grandes incômodos e desconfortos ao paciente, elas acabam não recebendo a devida importância.

Isso porque muitas pessoas esperam sentir dor para buscar ajuda profissional.

O problema é que, com isso, muitos diagnósticos são realizados quando a situação já está grave, o que pode dificultar o tratamento, conforme vereamos adiante.

A diferença entre gengivite e periodontite

Antes de abordarmos as causas, sintomas, consequências e tratamentos da periodontite, é importante esclarecer a diferença entre as duas doenças periodontais.

Tida como uma inflamação das gengivas, causada por algum tipo de infecção bacteriana, a gengivite representa o estágio inicial da doença.

Como não causa dor, costuma ser identificada pelas alterações na gengiva, como sangramento, inchaço e vermelhidão, ou somente nas consultas regulares com o profissional dentista.

Já a periodontite é justamente a evolução da gengivite não tratada. Apesar de ser muito comum em adultos, é uma doença grave.

Pois se trata de uma inflamação que afeta não só a gengiva, mas também os tecidos, ossos e ligamentos que sustentam os dentes.

Má higiene bucal é uma das principais causas da periodontite

A baixa higiene bucal e, consequentemente, o acúmulo de placa bacteriana e de tártaro, são os principais causadores das doenças periodontais.

Todos sabemos que quando não realizamos a higienização bucal de forma eficiente, abrimos brecha para a proliferação das bactérias.

Isso inclui tanto uma escovação rápida e superficial, quanto a falta de uso do fio dental, por exemplo.

Desta forma, a placa bacteriana que fica entre o dente e a gengiva não é removida como deveria.

E se essa remoção não acontece com a frequência esperada, a placa dental acaba se acumulando, endurecendo e se transformando em tártaro.

Essa película endurecida é muito mais difícil ser removida, o que favorece a atuação das bactérias nocivas à nossa saúde.

Outros fatores favorecem a doença periodontal

O tabagismo é um dos fatores de risco para a doença periodontal

Mas a má higienização não é a única responsável pelo desenvolvimento da periodontite. Existem outros fatores que podem aumentar, de diferentes formas, o risco de doença periodontal.

Confira alguns deles:

  • Diabetes
  • Estresse
  • Obesidade
  • Tabagismo
  • Histórico familiar
  • Problemas hormonais
  • Problemas cardiovasculares
  • Baixa produção de saliva
  • Outros problemas bucais, como a cárie
  • Má oclusão, ao facilitar o acúmulo de restos de comida entre os dentes
  • Uso de medicamentos fortes, como antibióticos
  • Doenças que afetam o sistema imunológico, como a aids
  • Consumo excessivo de bebida alcoólica
  • Entre outros

Sinais e sintomas da periodontite

Além de sangramento na gengiva, principalmente durante a escovação, a periodontite também pode ser identificada por vermelhidão e inchaço gengival.

A atuação das bactérias na cavidade bucal, que se acumulam e realizam a decomposição dos resíduos alimentares, ainda pode resultar em mau hálito.

Outro sintoma comum é a alteração no paladar, ocasionada principalmente pelo excesso de placa bacteriana e tártaro.

Alguns pacientes também relatam o aumento da sensibilidade oral, que também pode ter outras causas. E uma aparência mais alongada dos dentes, como resultado da retração gengival e da exposição das raízes dos dentes.

Em casos mais avançados, alguns são surpreendidos por bolsas gengivais com pus, o que acaba provocando muita dor. Além de dentes amolecidos e, consequentemente, quedas dentárias.

Como a periodontite pode ser prejudicial à saúde

Importante destacar que a periodontite pode gerar sérias consequências não só para a cavidade bucal, mas para todo o corpo e organismo.

Conforme já mencionado, quando a gengiva permanece inflamada por anos, a situação pode resultar em perda óssea e queda de elementos dentários.

Além de comprometer a estética do sorriso e a harmonização facial, também acarreta prejuízos para a fala e mastigação.

Como o indivíduo passa a enfrentar dificuldades para triturar os alimentos de forma correta, isso pode até desencadear problemas estomacais e comprometer a absorção de nutrientes.

Outra preocupação é que as bactérias envolvidas no processo infeccioso podem cair na corrente sanguínea e aumentar a chance de desenvolver sérios problemas, como doenças cardíacas, por exemplo.

Em mulheres grávidas, a periodontite pode inclusive ocasionar um parto prematuro.

Um diagnóstico precoce faz toda diferença

periodontite

Por meio da análise clínica, profissional dentista poderá avaliar se há algum comprometimento na estrutura dentária ou no tecido gengival

Como a periodontite pode se desenvolver de forma assintomática, isso muitas vezes dificulta o autodiagnóstico.

Por isso, é importante observar a aparição dos primeiros sintomas e não esperar sentir dor ou a situação piorar para procurar ajuda profissional.

Ao mesmo tempo, essa questão também reitera a importância de manter as consultas regulares com o profissional dentista.

Isso porque um diagnóstico precoce é determinante para reduzir as chances de agravamento da doença e de minimizar suas consequências.

No consultório, por meio da anamnese, o odontólogo tem chances de avaliar os sintomas, higiene bucal, alimentação, histórico familiar, medicações e outros problemas de saúde.

Já a análise clínica possibilita avaliar o nível de sangramento gengival, o acúmulo de placa ou tártaro, a profundidade das cavidades na gengiva e se há algum comprometimento na estrutura dentária ou no tecido gengival.

Em alguns casos, também podem ser necessários exames radiográficos, para avaliar a perda óssea, ou até mesmo laboratoriais, como o teste de índice glicêmico.

Qual profissional dentista procurar

O mais recomendável é que, em caso de suspeita de periodontite, o paciente agende imediatamente uma consulta com um odontólogo especialista em periodontia.

Isso porque o periodontista é o profissional capacitado tanto no diagnóstico, quanto no tratamento das complicações no tecido de suporte dental.

Ele tem muito mais condições do que um cirurgião-dentista de realizar um exame mais minucioso para avaliar a estrutura dentária e o grau de infecção do tecido gengival.

Até porque, em alguns casos, o indivíduo precisará fazer acompanhamento profissional a cada seis meses com o especialista.

As terapias periodontais de suporte, por exemplo, visam o controle permanente do biofilme, bem como a manutenção do caso para evitar recidivas.

A periodontite tem cura?

Uma das principais dúvidas relacionadas à periodontite, também chamada de doença periodontal, é se essa infecção bacteriana tem cura.

A verdade é que isso vai depender muito do estágio da doença, da gravidade da situação e do avanço da infecção.

Conforme já pontuado, quanto mais cedo o diagnóstico for realizado, menores serão seus impactos e consequências na saúde bucal.

Todavia, é importante destacar que as complicações ocasionadas pela periodontite, como a perda óssea e o rompimento de ligamentos periodontais, são irreversíveis.

Isso significa que quando o tecido já se encontra degenerado, por exemplo, dificilmente é possível reconstruí-lo.

Neste caso, o tratamento é realizado com o objetivo de controlar o avanço da doença e não visando sua cura.

Por outro lado, se a infecção estiver controlada e for acompanhada regularmente, o paciente pode até realizar procedimentos estéticos como clareamento dental e colocação de lentes de contato ou facetas de porcelana.

As principais formas de tratamento

Profilaxia dentária remove a placa dentária e impede que a periodontite avance

Quando a periodontite é diagnosticada em seu estágio inicial, limpezas dentárias profundas costumam dar conta do recado.

Além de remover a placa bacteriana, a profilaxia pode ajudar a controlar a formação do biofilme.

A raspagem periodontal também costuma ser indicada para remoção mecânica do tártaro, seja isoladamente ou junto à cirurgia regenerativa, e do cálculo fixado na superfície dentária.

Em alguns casos, também costumam ser prescritos medicamentos como anti-inflamatórios e antibióticos.

Ou até mesmo bochechos com enxaguantes bucais antissépticos que, além de garantir hálito fresco, ajudam a prevenir doenças bucais.

Já em casos avançados, o paciente pode precisar passar por uma pequena cirurgia para remover o tártaro profundo e higienizar as áreas mais prejudicadas da gengiva e do osso.

Além de tratamento odontológico, muitas vezes essa patologia também demanda tratamento médico.

Como prevenir a doença periodontal

Algumas simples medidas podem ser determinantes para prevenir a doença periodontal. Confira algumas delas:

  • Manter uma boa higiene bucal, com ao menos três escovações por dia, sobretudo após as refeições.
  • Escolher uma escova de dentes adequada e realizar a escovação da forma correta, limpando todas as superfícies, de forma suave e sem pressa.
  • Utilizar o fio dental ao menos uma vez por dia, da forma correta, já que ele consegue alcançar os espaços entre os dentes onde a escova não chega.
  • Adotar uma dieta saudável e equilibrada, com o consumo de frutas, verduras e legumes e poucos alimentos com açúcar.
  • Evitar o consumo de alimentos que compõem a dieta cariogênica, principalmente com grande frequência, já que eles podem favorecer a formação da placa bacteriana.
  • Evitar fumar e consumir bebidas alcoólicas em excesso.
  • Visitar o consultório odontológico periodicamente, de preferência a cada seis meses.
  • Realizar a profilaxia dentária, mais conhecida como limpeza dos dentes, ao menos uma vez ao ano para remover a placa bacteriana e o tártaro acumulados.

Você também vai gostar de ler