Lesões cervicais não cariosas, um problema cada vez mais comum nos consultórios

lesões cervicais não cariosas

01/02/2021 | Por: Odonto Busca Conteúdo

Os profissionais dentistas têm relatado um crescente diagnóstico das lesões cervicais não cariosas, mas você sabe que tipos de danos são esses e quais riscos eles apresentam?

O nome é praticamente autoexplicativo. Trata-se de uma lesão não bacteriana na região cervical do dente.

Geralmente ela é identificada por meio de lesões na superfície dos dentes. Ou também através de recessões gengivais, que é quando a gengiva se contrai em direção à extremidade da raiz.

O que muitos desconhecem é que esta patologia apresenta etiologia multifatorial, ou seja, suas causas e origens envolvem diferentes fatores.

E o pior, já pode ser considerado um problema de saúde pública. Inclusive porque resulta na perda progressiva e irreversível da estrutura dentária, se não diagnosticada em tempo.

Neste texto você vai entender como esse tipo de lesão se desenvolve e, ainda, como ela é diagnosticada e, inclusive, tratada. Veja o que será abordado sobre o assunto:

O que são as lesões cervicais não cariosas

Como é feito o diagnóstico

Quem apresenta mais riscos de desenvolver esta lesão

Lesões cervicais não cariosas e suas classificações

Abfração

Erosão

Abrasão

Quais complicações as lesões cervicais não cariosas podem causar

Como tratar as lesões cervicais não cariosas

Outras formas de tratamento e prevenção

O que são as lesões cervicais não cariosas

As lesões cervicais não cariosas são lesões que ocasionam a perda de esmalte na região cervical do dente, isto é, na região próxima à gengiva, sem o envolvimento de bactérias.

Apesar de ser causada pelos mais diferentes fatores, acredita-se que o aumento da expectativa de vida é uma das situações que justificam o aparecimento deste tipo de lesão.

Isso porque a dentição natural é mantida por mais tempo e, consequentemente, mais exposta aos fatores etiológicos.

As lesões cervicais não cariosas representam, ainda, uma patologia que pode provocar perda gradual e irreversível da estrutura dentária.

Com isso, os pacientes cujos dentes são acometidos por esta lesão podem ser surpreendidos tanto por complicações estéticas, quanto funcionais.

Vale ressaltar que os primeiros pré-molares e molares, os segundos pré-molares e os caninos estão entre os dentes mais comuns de serem lesionados por este tipo de problema.

Como é feito o diagnóstico

Anamnese odontológica é etapa essencial para a investigação e identificação do problema

As lesões cervicais não cariosas geralmente não apresentam cavidades em seu estágio inicial, o que pode comprometer um diagnóstico rápido e eficiente desta patologia.

É por isso, inclusive, que muitas vezes o problema está associado aos casos de hipersensibilidade sem causa aparente.

Neste sentido, a anamnese odontológica se torna uma etapa essencial para a investigação e identificação do problema.

Além de entender os motivos que levaram o paciente a procurá-lo, o profissional dentista tem a chance de saber mais sobre seus hábitos e sua saúde.

São questionamentos simples que podem contribuir diretamente para a identificação do problema.

E geralmente estão relacionados às queixas, sintomas, doenças, alimentação, higiene bucal, histórico familiar, medicação utilizada e procedimentos anteriores.

O paciente ainda é submetido à exame visual e tátil e, se necessário, a exames radiográficos, para que o odontólogo tenha melhores condições de analisar seu caso.

Quem apresenta mais riscos de desenvolver esta lesão

As lesões cervicais não cariosas podem acometer pessoas de todas as idades. Em contrapartida, existem alguns grupos que podem apresentar mais chances de desenvolverem este tipo de lesão.

A começar pelos pacientes com tensões oclusais e que sofrem de bruxismo, refluxo gastroesofágico e outra doenças gástricas.

Quem passou por tratamento ortodôntico e, em seguida, realizou clareamento dental também entra na lista. O mesmo vale para os que não tiveram a mordida corrigida pelo uso do aparelho.

Outro caso que merece ser observado é o dos atletas. Principalmente os que não utilizam protetores bucais e, por conta da fadiga causada por determinadas atividades, registram grande apertamento dental.

Pessoas com consumo exagerado de comidas e bebidas ácidas, que não realizam uma higienização bucal eficiente, também correm mais riscos de desenvolver as lesões cervicais não cariosas.

Assim como dependentes químicos, já que o uso de substâncias químicas acaba modificando o pH da cavidade bucal.

Lesões cervicais não cariosas e suas classificações

As lesões cervicais não cariosas normalmente são classificadas em três tipos: abfração, erosão e abrasão.

Apesar de apresentarem diferenças, elas podem surgir tanto separadas, quanto associadas.

Importante destacar que o diagnóstico correto, e preferencialmente no estágio inicial, é primordial para garantir o tratamento adequado e evitar a evolução do quadro.

Entenda como cada umas dessas classificações funciona:

Abfração

O bruxismo é um dos fatores que causam as lesões cervicais não cariosas por abfração

As lesões cervicais não cariosas, ocasionadas por abfração, são aquelas associadas às forças oclusais traumáticas que provocam flexões dentais.

Ou seja, elas surgem quando os dentes são expostos a esforços biomecânicos repetitivos e excessivos, como é o caso do bruxismo.

Essa sobrecarga pode acarretar em lesões no esmalte, na dentina e no cemento, além de afetar diretamente a estrutura dentária do paciente.

Esse tipo de lesão geralmente se apresenta em formato de cunha, com bordas afiadas, profundidade e margem definida.

E o mais comum é que elas apareçam nos dentes inferiores, principalmente nos pré-molares e caninos.

Erosão

Já as lesões cervicais não cariosas, provocados por erosão, são aquelas em que processos químicos ocasionam a perda da estrutura dental.

Isso acontece, por exemplo, em virtude da ingestão excessiva de comidas e bebidas ácidas ou de problemas gastroesofágicos.

Neste caso, as lesões apresentam pouca profundidade na descalcificação do esmalte, mas o tecido pode perder o brilho e ficar fosco.

Também é comum se formarem cavidades largas e rasas próximas à gengiva, com contornos arredondados, e o dente apresentar dureza e aspereza.

Abrasão

Por fim, as lesões cervicais não cariosas, ocasionadas por abrasão, surgem quando forças mecânicas relacionadas à objetos ou substâncias resultam em um desgaste patológico da estrutura dental.

Na prática, são as lesões causadas pelo uso de palitos de dente ou decorrentes de procedimentos odontológicos, como raspagem, por exemplo.

Nesta categoria, também enquadra-se a forma como a escovação é realizada, principalmente no que diz respeito à técnica, frequência, tempo e força aplicada durante o processo.

Mais comum em caninos e pré-molares, esse tipo de lesão pode apresentar superfície dura, rasa, polida e com contornos regulares.

Quais complicações as lesões cervicais não cariosas podem causar

lesões cervicais não cariosas

O surgimento de cáries está entre as complicações deste tipo de lesão

Como já vimos, as lesões cervicais não cariosas resultam, principalmente, no comprometimento progressivo e irreversível da estrutura dental.

E isso pode gerar sérias consequências para o paciente que não receber o tratamento adequado a tempo, como o enfraquecimento e até a perda dos dentes.

Outras complicações que podem surgir são: aumento do acúmulo de placa bacteriana, surgimento de cáries, novas lesões e hipersensibilidade dental, entre outras.

Como tratar as lesões cervicais não cariosas

Para o tratamento das lesões cervicais não cariosas, é preciso inicialmente considerar as causas, origens e, portanto, em qual classificação ela está enquadrada.

Além disso, o procedimento a ser realizado também irá depender do formato, extensão e profundidade da lesão.

Contudo, o recomendável é que essas lesões comecem a ser tratadas por meio da correção dos contatos oclusais danosos ou da remoção dos fatores causais.

No caso das lesões por abfração e abrasão, ainda podem ser realizados procedimentos como aplicação de agentes dessensibilizantes, laserterapia, restaurações, resina, entre outros.

Já o tratamento das lesões por erosão também pode envolver a utilização de resinas compostas, cimentos e compômeros, entre outros.

Vale ressaltar que somente um profissional dentista capacitado é que poderá determinar qual o melhor tratamento, considerando as especificidades de cada paciente.

Outras formas de tratamento e prevenção

Alguns cuidados também podem ser tomados pelo próprio paciente para prevenir a progressão ou até mesmo o aparecimento das lesões cervicais não cariosas.

Entre as principais, estão:

-Utilizar escova de cerda macia e creme dental com baixo poder de abrasão

-Não aplicar excesso de força durante a escovação, para evitar sensibilidade dentária e retração gengival

-Priorizar a técnica de escovação vertical, que começa da gengiva para o dente, a fim de não traumatizar a gengiva

-Fazer visitas regulares ao consultório odontológico para acompanhar o aparecimento ou evolução das lesões

-Diminuir a ingestão de alimentos ácidos e concentrar seu consumo nas refeições principais

-Utilizar canudos quando for consumir bebidas ácidas e enxaguar os dentes com água logo em seguida

-Buscar ajuda de um profissional para tratar a ansiedade e/ou estresse, distúrbios que podem provocar o bruxismo e apertamento dentário

-Mudar hábitos nocivos, como evitar utilizar palitos de dente e abrir ou segurar objetos com os dentes

-Entre outras

Conclusão

Como pudemos ver, as lesões cervicais não cariosas promovem perda de esmalte na região próxima à gengiva, bem como perda gradual e irreversível da estrutura dentária.

Elas surgem pelos mais diferentes motivos, sejam químicos, biológicos e/ou comportamentais, mas sem o envolvimento de microrganismos.

Além disso, o tratamento desta patologia não se restringe à realização de procedimentos odontológicos. Pelo contrário, a remoção dos fatores causais e a mudança de hábitos são determinantes para seu sucesso.

Contudo, para que isso seja possível, faz-se necessário um diagnóstico correto por parte do profissional dentista. E, de preferência, no estágio inicial das lesões cervicais não cariosas.

Você também vai gostar de ler