Lesões cariosas ativas merecem atenção redobrada

lesões cariosas ativas

01/02/2021 | Por: Odonto Busca Conteúdo

Você já ouviu falar das lesões cariosas ativas? Pelo nome já dá para ter uma ideia do que elas se tratam. É uma classificação das cáries, uma das doenças bucais mais comuns no mundo todo.

Este tipo de lesão merece atenção redobrada porque, se diagnosticada em seu estágio inicial, pode evitar dores, complicações e até mesmo o surgimento de outras doenças.

Neste texto você vai conhecer as principais características clínicas das lesões cariosas ativas, como elas se desenvolvem e são diagnosticadas.

Também apresentaremos alguns procedimentos odontológicos que podem ser adotados no tratamento, principalmente para combater o acúmulo de placa bacteriana.

Confira todos os pontos que serão abordados sobre o tema:

O que é a cárie

Como a cárie se desenvolve

No que consistem as lesões cariosas ativas

Qual é a diferença das lesões cariosas inativas

Como é feito o diagnóstico

Qual é o tratamento

Tratamento com controle mecânico

Remineralização em lesões cariosas ativas

Verniz fluoretado é aliado na odontopediatria

Aplicação de selante dentário

Quais os principais fatores de risco

Como prevenir as lesões cariosas ativas 

O que é a cárie

lesões cariosas ativas

Cárie dentária é a segunda doença mais comum em todo o mundo

Mas antes de abordarmos o que são as lesões cariosas ativas, é importante esclarecer o que é a cárie e como ela se forma.

A cárie dental é a segunda doença mais comum em todo o mundo, perdendo apenas para o resfriado, segundo estudo feito pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Ela consiste, basicamente, na deterioração da estrutura dentária. E essa degeneração é resultante, em grande parte, do nosso estilo de vida e dos hábitos que adotamos.

Ou seja, nossas escolhas alimentares, nossos cuidados com a higiene bucal e a utilização ou não de flúor são fatores que podem impactar diretamente no aparecimento dessa doença bucal.

Como a cárie se desenvolve

Isso porque a cárie surge em virtude do desenvolvimento das bactérias presentes em nossa boca, que vão atingindo aos poucos as camadas do dente.

Essas bactérias consomem o açúcar das comidas que ingerimos e o transforma em um ácido capaz de descalcificar o esmalte dentário.

Com o tempo, se esse processo não for interrompido, pode resultar na corrosão do dente e no diagnóstico de cárie.

No que consistem as lesões cariosas ativas

Agora que fizemos um apanhado sobre o que é a cárie e como ela se desenvolve, fica mais fácil entender o que são as lesões cariosas ativas.

As lesões cariosas ativas constituem um dos estágios da cárie dental. Significa que a lesão está em progresso e com atividade bacteriana.

No esmalte, elas se manifestam por meio de manchas brancas, rugosas e sem brilho. Já na dentina, apresentam-se através de tecido amolecido, de cor mais amarelada.

Elas também apresentam retenção de placa dental. Ou seja, são essas lesões de mancha branca e aspecto opaco e poroso que indicam o início da cárie dental.

Qual é a diferença das lesões cariosas inativas

Outro estágio da cárie dental são as lesões cariosas inativas ou paralisadas. Ao contrário das lesões cariosas ativas, em esmalte elas apresentam aspecto brilhante, liso e polido.

Em dentina, as lesões cariosas inativas também são lisas e brilhantes, mas sua coloração pode surgir amarronzada. Isso por conta da absorção de pigmentos extrínsecos pelo esmalte descalcificado.

Esse tipo de lesão é livre de placa bacteriana e pode ter sido formado há anos, ou seja, a progressão da lesão já foi interrompida.

Como é feito o diagnóstico

Lesões cariosas ativas são diagnosticadas pelo exame visual e tátil

Para verificar se o paciente apresenta lesões cariosas ativas ou inativas, o profissional dentista precisa submetê-lo a um exame clínico.

Apesar dessas duas lesões se diferenciarem, basicamente, pela textura e coloração, a avaliação de acúmulo de placa na superfície dentária também se faz necessária.

É indicado que o campo esteja seco e adequadamente iluminado para não comprometer a precisão do diagnóstico.

Outra medida importante é a remoção do biofilme dentário, também conhecido por placa bacteriana, para avaliar a perda de translucidez do esmalte e a profundidade da lesão.

Qual é o tratamento

Muitos pacientes esperam sentir dor para poder procurar o profissional dentista. Mas é importante ressaltar que quando as patologias são diagnosticadas no estágio inicial, as chances de tratá-las por meios minimamente invasivos são maiores.

É o caso das lesões cariosas ativas, por exemplo. Quando realizado prontamente e de forma correta, o tratamento pode impedir a evolução do caso para cavidades, perda da estrutura dental e até para outras doenças.

Entretanto, somente um profissional dentista poderá dizer qual é o método mais adequado para tratar lesões cariosas.

Isso porque esta é uma definição que considera vários fatores, que variam de paciente para paciente, inclusive prevalência, gravidade e profundidade da lesão.

Ainda assim, iremos apresentar brevemente alguns dos procedimentos adotados para combater a placa bacteriana, principalmente, e impedir o surgimento das lesões cariosas.

Tratamento com controle mecânico

Uma das formas de tratar as lesões cariosas ativas é por meio do controle mecânico do biofilme dentário, já que seu acúmulo é um dos causadores da cárie dentária.

Este é um procedimento que é realizado pelo próprio paciente, por meio de sua higiene oral. Por ter uma frequência maior, é considerado o método mais eficaz de conter a placa.

Mas, para isso, a escovação deve ser realizada de forma correta, com movimentos curtos e suaves, que vão da gengiva às pontas dos dentes. Não se pode esquecer da parte interna da bochecha e dos dentes e da língua.

Também é preciso atenção ao uso diário do fio dental e à escolha de itens adequados para este processo. Você pode perguntar ao seu dentista qual é a escova, fio e creme dental mais indicados.

Remineralização em lesões cariosas ativas

Se diagnosticadas precocemente, as lesões cariosas ativas podem ser tratadas com métodos não invasivos de remineralização.

Remover a placa bacteriana e realizar aplicações de flúor na área descalcificada do dente podem contribuir para esse processo.

Além da aplicação tópica de flúor, o profissional dentista também poderá prescrever a utilização de enxaguatórios bucais, cremes dentais fluoretados ou remineralizadores.

Verniz fluoretado é aliado na odontopediatria

Verniz fluoretado é uma boa opção de tratamento para bebês e crianças

O verniz fluoretado é uma das maneiras profissionais de aplicação de flúor para evitar o avanço da cárie.

Trata-se de um medicamento com alta concentração de fluoreto de sódio, que é aplicado sobre o esmalte dental.

Ele pode ser utilizado em pacientes de todas as idades, especialmente em casos que apresentem de moderado a alto risco para a cárie.

Apesar disso, tem sido uma alternativa comumente adotada em bebês, já que sua aplicação é rápida, de baixo custo, segura em termos de toxicidade e de boa aceitação.

Aplicação de selante dentário

A utilização do selante dentário também está entre os tratamentos complementares para impedir a formação de cáries.

Trata-se da aplicação de um selante na superfície dos dentes com os quais mastigamos. Isso com o objetivo de selar os sulcos dentais e impedir a retenção de alimentos de difícil remoção.

Após aplicação do material odontológico, uma luz azul é utilizada para endurecer o selante e, assim, reduzir o acúmulo de biofilme. O que também pode facilitar a escovação.

Quais os principais fatores de risco

Existem alguns fatores que podem aumentar o risco de aparecimento das lesões cariosas ativas e, consequentemente, da cárie. Entre os principais estão:

-A doação de uma dieta cariogênica, que consiste em uma alimentação rica em açúcar, carboidratos e ácidos

-A falta de escovação após as refeições e do uso diário de fio dental também pode contribuir para o desenvolvimento dessas lesões

-O uso de aparelho ortodôntico pode dificultar a higiene bucal e, portanto, favorecer o acúmulo de placa bacteriana

-Pacientes com xerostomia, ou seja, baixa produção de saliva, também apresentam maiores chances de desenvolverem a cárie. Isso porque a saliva mantém o pH da boca como básico, neutralizando a acidez bucal e protegendo os dentes contra a doença.

Como prevenir as lesões cariosas ativas

Higiene bucal correta é capaz de prevenir e tratar as lesões cariosas ativas

A adoção de alguns hábitos pode ajudar a prevenir o aparecimento de lesões cariosas ativas, bem como a evolução do quadro para cavidades e perda de estrutura dental.

Confira o que você pode fazer para que isso seja possível:

-Priorizar uma alimentação equilibrada e saudável, que inclua frutas, legumes, verduras, principalmente;

-Beber bastante água para estimular a produção de saliva, o que ajuda na neutralização da acidez bucal e numa proteção natural.

-Enxaguar a boca com água após se alimentar ou beber refrigerante, por exemplo, para remover vestígios da bebida ou do alimento.

-Escovar os dentes após todas as refeições, utilizando creme dental fluoretado, para remover a placa bacteriana;

-Aderir ao uso diário de fio dental para retirar restos de alimentos e limpar profundamente o espaço entre os dentes;

-Fazer visitas regulares ao profissional dentista para prevenir o desenvolvimento de doenças, como a cárie, e manter sua saúde bucal em dia;

-Investir em uma aplicação periódica de flúor para prevenir a desmineralização do esmalte dos dentes e deixá-los mais resistentes.

Conclusão

Portanto, se você perceber manchas brancas e opacas no esmalte dentário ou até mesmo tecido amolecido com coloração mais amarelada, não deixe de procurar um profissional dentista.

Como pudemos ver no texto, o diagnóstico precoce é fundamental. Atuar rapidamente e preventivamente é a melhor forma de evitar a cavitação.

Importante lembrar, ainda, que uma higiene oral correta pode ser determinante na prevenção da doença e também para evitar complicações.

Já que esta é uma das formas mais eficientes de combater a retenção e o acúmulo de biofilme na superfície dentária, outra característica das lesões cariosas ativas.

Você também vai gostar de ler